Eu resolvi entrevistar jovens surdos (sem saber Libras)

Sem saber praticamente nada da língua de sinais, eu quis conversar com jovens surdos pra saber como é para eles se relacionar numa sociedade predominantemente ouvinte.

Embora soubesse uma ou outra coisa da língua, fiquei mega nervosa na hora H e tive de apelar pros bilhetes. Eles foram receptivos e pacientes com minha incapacidade. Fiquei pensando se os ouvintes são assim com eles.

Cerca de 5% da população brasileira tem deficiência auditiva, segundo o Censo 2010, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). São cerca de 9,7 milhões de pessoas e aproximadamente 1 milhão são crianças e jovens até 19 anos.

Fiz aulas de Libras na faculdade com a professora Leliane Rocha e aprendi o que me ajudou minimamente a fazer esse primeiro contato: o alfabeto manual — pra dizer meu nome — e, entre outras coisas que acabei esquecendo, a falar “oi” e “eu te amo” em Libras (a língua brasileira de sinais), mas isso era nada diante do que eu queria.

Como se diz no jornalismo, coloquei o pé na rua pra descobrir se eles se “isolam” em locais e com pessoas na mesma condição ou se é possível falar de integração. Enfrentar a dificuldade de me comunicar com eles era parte da compreensão necessária pra isso.

Para não fazer tão feio, passei três dias vendo vídeos no Youtube, captando o gestual de vocabulário básico, saudações, verbos e profissões.

Perguntas como: “oi, tudo bem?” e “sou ouvinte, posso conversar com você?” era o que eu precisava pra iniciar o contato, me identificar e dizer o que queria.

Fui a um shopping da zona leste de São Paulo, onde já tinha pessoas surdas conversando, em busca do meu primeiro alvo.

Depois de uns 30 minutos avistei duas garotas conversando em Libras. Fiquei feliz, mas no segundo seguinte, entrei em pânico de novo. Os vídeos e o treino como uma louca pela casa e na rua ficaram embaralhados na minha cabeça.

Foto: Isa Lima / Unb Agência
Foto: Isa Lima / Unb Agência

Pelos gestos, entendi que elas iam pedir o lanche pra viagem. Esperei e observei. Ao chegar a vez delas, fizeram sinal de que não ouviam e o atendente, que me pareceu sem reação diante da informação, foi buscar um cardápio.

Pedido feito, outra fila para pegar o lanche. Uma delas ficou de fora e vi ali minha única chance. Com ou sem coragem, fui.

Toquei no ombro e a menina sinalizou que não ouvia. Pedi calma e, na língua de sinais, expliquei que sou ouvinte, que não falo Libras, mas que queria conversar. Simpática, ela concordou. Falei meu nome, disse que era repórter e que queria entender o universo dela, dos surdos. Ela concordou. Travei.

Recorri ao bloquinho e escrevi que era minha primeira conversa com uma pessoa surda e mostrei minha mão trêmula. Ela riu e fez que tudo bem. Eu ri também, com receio do que tudo aquilo parecia pra ela.

Quem sabe normal? Ela demonstrou estar à vontade, só esperando eu tentar me comunicar. A dificuldade foi mais minha do que dela.

Como ela me disse que tinha pressa, perguntei, em Libras, o nome e a idade dela: Joseane, 20 anos. Pelo papel, perguntei se a gente podia se falar mais depois. Ela fez que sim e recorri à língua de sinais pra saber o email. Ela anotou no meu bloquinho.

Minha última tentativa de gestos, foi dizer que mandaria um email naquele mesmo dia à noite, agradecer e dar tchau.

A segunda tentativa, no dia seguinte, foi mais fácil. Falei com jovens e adultos que, também pacientes, acharam interessante eu estar ali para aprender mais sobre eles e Libras. É o que vou contar ao longo da reportagem que estou preparando pra Na Responsa!

Provavelmente algum dia essa comunicação foi mais difícil pra eles do que é pra mim. Continuo sem ferramentas para prolongar conversas e mais certa de que se aproximar de quem é diferente abre a cabeça.

Publicado originalmente em Na Responsa!

Siga, curta, compartilhe:
Facebook
Google+
http://ludihonorato.com.br/eu-resolvi-entrevistar-jovens-surdos-sem-saber-libras/